A - Minhas Postagens

Caco Barcellos: ‘O matador brasileiro é o cidadão de bem’ O jornalista Caco Barcellos abriu o ciclo de palestras em comemoração ao centenário do Comércio da Franca ontem à noite. Por quase duas horas, o apresentador do programa Profissão Repórter, da Rede Globo, falou para uma plateia formada por assinantes do jornal, convidados e jornalistas. Contou bastidores de suas reportagens, exibiu vídeos, fez críticas à truculência da Polícia Militar e respondeu perguntas dos participantes. “Gostaria de ter interferência. Gritem, levantem a mão, perguntem. Sou um provocador.” A palestra foi realizada no Teatro “Judas Iscariotes” e teve a mediação do jornalista Corrêa Neves Júnior, diretor-executivo do GCN. Os 300 lugares disponíveis foram ocupados. Caco Barcellos começou falando de sua paixão em trabalhar na rua, buscando boas histórias para contar. “Mesmo tendo propostas melhores para trabalhar na retaguarda, nunca aceitei. Meu trabalho é levantar informações e divulgar.” Correspondente internacional da Globo, especialista em jornalismo investigativo e autor de livros, entre eles, Rota 66, que aborda a truculência da polícia, dedicou a maior parte da palestra para abordar o tema violência e o que define como preconceito de classe. “A violência no Brasil não é democrática. Não acontece violência em área nobre. Se a vítima for bem colocada, não dizem se ela tem passagens ou não. Quando matam um pobre ou negro, desqualificam a vítima moralmente. Nem quando descobrem que foi o policial fardado que matou, respeitam a família.” Segundo o jornalista, o preconceito de classe faz com que o fato de uma pessoa ter passagens pela polícia parecer legitimar sua morte em uma chacina, por exemplo, como a que ocorreu em São Paulo no mês passado. Afirmou que as polícias militares do Brasil matam cinco vezes mais do que assaltantes. “A Força Tática, na dúvida, atira. Depois, pergunta. Nos Estados Unidos, onde existe a pena de morte, as autoridades levam dez anos para mandar matar. Quando matam um negro, eles param o país. Aqui, são dez segundos para matar alguém.” Caco Barcellos disse que o crime de homicídio é o termômetro para ver a harmonia de uma sociedade e que as mortes são resultados de desavenças. “O matador brasileiro está em todas as classes sociais. O ‘cidadão de bem’ responde por 80% das mortes. Os matadores somos nós, mas o dedo sempre é apontado para o delinquente pobre.” http://ift.tt/1LjbUiS

Anúncios

Dê sua opinião:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s