A - Minhas Postagens

Vargas Llosa: “Não existe democracia digna deste nome com concentração de mídia” DCM – Vargas Llosa, um dos queridinhos da mídia brasileira por suas posições quase sempre conservadoras, sumirá dos jornais e revistas do país É que Llosa disse, numa entrevista, uma coisa que a mídia não quer que se discuta: que a concentração é uma real ameaça à democracia. “Nenhuma democracia digna deste nome permite monopólio de mídia”, afirmou Llosa. Liberdade de imprensa só é liberdade de imprensa, de verdade e não de mentirinha, quando há uma diversidade de opiniões que só a desconcentração da propriedade permite. É óbvio. Mas no Brasil esta é discussão que a mídia, pela voz de seus fâmulos, não quer que se trave porque não é de seu interesse. A atitude mais comum, quando se levanta o assunto, é dizer que se está procurando “censurar” a imprensa. É quando o cinismo se encontra com a vigarice. Cristina Kirchner, na Argentina, foi valente o bastante para enfrentar – e afinal derrotar – o monopólio do Clarin. O Clarin sempre recorreu ao mais surrado lugar comum para atacar Cristina: que ela estava tentando calar uma “voz crítica”. Ora, quem acredita nisso, nos bons propósitos do Clarin, acredita em tudo. Um grupo predador foi simplesmente enquadrado, no que provavelmente é a maior realização de Cristina. Mas no Brasil da governabilidade as coisas são diferentes. As quatro ou cinco famílias que controlam a mídia não são importunadas, para infortúnio da sociedade, que paga um preço elevado por isso. FHC era aliado delas, mas e Lula e Dilma? Eles jamais colocaram na agenda nacional uma questão vital para o desenvolvimento social do Brasil. A desculpa é sempre a mesma: não há condições políticas. Como enfrentar, por exemplo, a ira da Globo? Sejamos mais modestos: como lidar com Sarney, que seria fortemente atingido por uma lei que limitasse a propriedade de mídia? Há no PT a tese de que Sarney teria salvado Lula do impeachment em determinado momento do mensalão. Ora, é apenas uma especulação. Diferente da falta de apoio popular, político e social de Collor, Lula tinha força e alta capacidade de mobilização. Tentar tirá-lo no grito no Congresso, como se fez com Collor, era uma manobra de altíssimo risco. O país poderia entrar em convulsão, com protestos de sindicatos e de estudantes, e os golpistas talvez terminassem mal. Mas ainda que Lula tenha uma dívida com Sarney. É uma dívida dele e, no máximo, do PT – e não do país. Não é aceitável que coisas essenciais como uma reforma da mídia não andem porque Sarney – ou os Marinhos, ou quem for – não podem ser aborrecidos. Cristina Kirchner teve cojones, e não me venham dizer – outra justificativa clássica e tíbia – que as circunstâncias eram diferentes. Tudo é sempre diferente, de país para país, e este não pode e não deve ser um fator que imobilize. Vargas Llosa tem razão: não existe democracia decente com concentração de mídia. E no Brasil ela, a concentração, é simplesmente abjeta. http://ift.tt/1ZW1bg5

Anúncios

Dê sua opinião:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s