A - Minhas Postagens, DEM, PIG, PPS, PSDB

Entenda como funciona o esquema midiático golpista

 

 

Gleisi Hoffmann já acusou esse esquema:http://www.youtube.com/watch?v=DvVV-TNcH38

Vamos citar exemplos?

“Entrevista de Marcos Valério” (1-2-3-4-5)

“Envolvimento de Agnelo Queiroz no esquema Cachoeira” (1-2-3-4-5)
“Gabinete paralelo de José Dirceu no hotel Naoum” (1-2-3-4)
“Caso Palocci” (1-2-3-4-5)
“Caso Erenice Guerra” (1-2-3-4-5)
“Dólares de Cuba para abastecer a campanha de Lula” (1-2-3-4-5)
DEM, Gilmar Mendes, Lula, PPS, PSDB, PSOL, VEJA

Derrota do bloco PSDB/PSOL/PPS/DEM/PIG: Procuradoria arquiva investigação sobre caso Lula x Gilmar Mendes

 

A Procuradoria da República no Distrito Federal pediu o arquivamento da investigação criminal sobre a suposta tentativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de pressionar o ministro Gilmar Mendes para postergar o julgamento do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal).

A apuração foi aberta em maio a pedido de parlamentares da oposição, sob o argumento de que Lula tinha cometido os crimes

de coação no curso do processo, tráfico de influência e corrupção ativa.

Eles se basearam em reportagem da revista “Veja”. Segundo a publicação, Lula ofereceu, em troca da ajuda para atrasar o julgamento, blindagem política para o ministro do STF na CPI do Cachoeira –o nome do magistrado chegou a ser citado em gravações feitas pela Polícia Federal durante investigações que basearam a abertura da comissão de inquérito. Mendes nega qualquer envolvimento com o grupo do empresário Carlinhos Cachoeira.
Lula, diferentemente do ministro, repudiou o teor da reportagem da “Veja” e, em nota à época, se disse indignado com a suspeita.

Após abrir a investigação, o Ministério Público fez dois pedidos de informação a Mendes, mas nenhum foi respondido. Por isso, foram analisadas entrevistas dadas por ele à imprensa sobre o caso. Mas a partir delas o “Ministério Público não detectou um pedido específico de Lula no sentido de ver adiado o julgamento do ‘mensalão'”, segundo a assessoria da Procuradoria. Ouvido, Nelson Jobim, ex-membro do STF e ex-ministro da Defesa, confirmou que testemunhou a conversa entre Lula e Mendes citada pela “Veja”, mas, como já havia feito antes, negou que tenha ocorrido a suposta oferta do ex-presidente.

 

DEM, PDT, PMDB, PP, PPS, PSDB, PSOL, PT

PSDB é o partido mais rico do país

 

 

Se suas declarações de bens estiverem corretas, os políticos do PSDB que disputam as eleições municipais de 2012 são, na média, os mais ricos do país. Seus cerca de 36 mil candidatos têm um patrimônio somado de R$ 7 bilhões, ou R$ 196 mil por candidato. Essa taxa per capita dos tucanos é 46% mais alta do que a média geral de todos os partidos. É também 57% maior na comparação com os bens declarados pelos seus rivais do PT.

O que puxa a média dos tucanos para cima é o patrimônio declarado por seus candidatos a vereador. Ele totaliza R$ 5 bilhões, ou R$ 152 mil por candidato, o que é 47% maior do que a média geral. Porém esse número pode estar artificialmente inflado por erros nas declarações de bens de alguns tucanos. Isso não acontece entre os candidatos a prefeito do partido, e o seu patrimônio médio fica apenas 10% acima do dos outros partidos.

O mais “rico” candidato a vereador pelo PSDB é o pastor Waldeci Ferreira, da Assembleia de Deus, que tenta voltar a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal de Aparecida de Goiânia (GO). Ele declarou à Justiça eleitoral que sua fazenda de 40 alqueires em Morro Agudo de Goiás vale R$ 600 milhões. Seria o hectare de terra mais caro do Brasil, talvez do mundo: R$ 6,2 milhões.

Assim como o pastor Waldeci, pelo menos outros quatro candidatos a vereador tucanos parecem ter digitado três zeros a mais em um de seus bens, elevando seu valor às centenas de milhões. São casas, sítios, apartamentos e terrenos que, segundo as declarações, valeriam até R$ 500 milhões cada um.

Se fossem excluídos os zeros adicionais da conta, a riqueza dos candidatos tucanos a vereador cairia à média dos outros partidos. Mas eventuais correções só podem ser feitas pelos próprios candidatos, e devem ser formalizadas junto a um cartório eleitoral. Enquanto isso, vale o que está registrado junto ao Tribunal Superior Eleitoral.

Os possíveis zeros a mais no valor de bens declarados não são exclusividade do PSDB. Candidatos a vereador do PMDB, PSL, PV, PTB, PC do B, PSB, PDT e PT parecem também ter se confundido ao preencer as declarações para o TSE. Outro pastor, este do PPS, declarou uma kombi por R$ 199 milhões. São tantos erros aparentes que, acertadas as contas, o PSDB poderia até voltar ao topo do ranking da riqueza por candidato.

As declarações de bens dos candidatos a prefeito são menos exageradas. Examinando-se o patrimônio dos mais ricos é menos comum encontrar valores estranhamente altos -apenas três ou quatro fogem escandalosamente à média, e nenhum deles é tucano. Entre os que disputam prefeituras, há mais erros aparentes (para cima) em declarações de petistas. Como o apartamento de R$ 586 milhões do candidato a prefeito de Verdejante (PE).

O PDT é o partido com a mais alta média de patrimônio de candidatos a prefeito: R$ 1,314 milhão por cabeça. Ela é puxada para cima por um candidato apenas, Otaviano Pivetta, um dos dois Pivettas que concorrem à Prefeitura de Lucas do Rio Verde (MT). Os R$ 321 milhões declarados pelo empresário do agronegócio não são miragem estatística. Excluídas as aberrações, ele é o mais rico dos 464.658 candidatos que aparecerão nas urnas em outubro.

O PP aparece em segundo lugar no ranking partidário dos patrimônios dos candidatos a prefeito, com média de R$ 1,266 milhão. Mas, ao contrário do PDT, essa taxa é inflacionada por um possível erro de declaração. Concorrente à Prefeitura de Vitória do Xingu (PA), Sebastião Pretinho Ferreira da Silva declarou que sua fazenda de 1 mil hectares vale R$ 500 milhões -menos de 1/10 do valor do hectare do Pastor Waldeci, mas ainda assim, um hectare muito caro.

O PSDB é o terceiro colocado no ranking da riqueza dos prefeitos, com média de R$ 888 mil. É 11% maior do que a do PT. Mas nenhum tucano parece ter errado na conta, pelo menos na casa dos milhões. Os R$ 86 milhões de Jales Fontoura (Goianésia-GO) e os R$ 60 milhões de João Andrade (Pitangueiras-SP) são oriundos de participações em grandes empresas. Em compensação, dois petistas parecem ter acrescido zeros a seus bens.

Mesmo assim, o patrimônio declarado dos tucanos cresceu proporcionalmente mais do que o dos petistas nos últimos quatro anos. Em comparação à eleição de prefeitos de 2008, a média do PSDB aumentou 16% acima da inflação, enquanto a do PT cresceu 9% além do INPC do período. Nada menos do que 18 candidatos a prefeito do PSDB têm patrimônio declarado superior a R$ 10 milhões, contra 7 do PT -dois quais dois parecem conter erros.

Estadão

Dilma, Lula, Roberto Freire

Roberto Freire (PPS) pede providências contra notas de real com “Lula seja louvado”

Do Vi o Mundo:

do site G17

O Banco Central colocou em circulação nesta segunda-feira (7) notas de real com a frase “Lula seja louvado”. De acordo com o BC, a mudança foi um pedido da Presidente Dilma Rousseff, que quis homenagear o ex-presidente Lula.

Segundo informações da Assessoria de Dilma, no Palácio do Planalto, a frase “Deus seja louvado” estava provocando confusão e atrito entre religiosos e Ateus. “Nem Deus, nem Zeus, nem Goku nem Galileu, coloquem o nome do Lula”, teria dito a Presidente Dilma, para encerrar a confusão.

A mudança nas cédulas de real, com a frase “Lula seja louvado” está sendo feita aos poucos pelo Banco Central. A expectativa do BC é que, até o final do ano, todas as notas estejam com o nome de Lula.

******

Indignado, o deputado federal Roberto Freire (PPS-SP) já  anunciou no twitter que vai tomar providências.

Em tempo: o G17 anunciou também que a presidenta Dilma está planejando privatizar 40% da população brasileira.

A Presidente Dilma Rousseff está planejando privatizar a população brasileira. A ideia é transformar o Brasil é um país de primeiro mundo, usando como moeda a própria população. O governo pretende, inicialmente, privatizar para os EUA e alguns países europeus cerca de 40% dos brasileiros. Se tudo ocorrer bem, futuramente a outra parte da população, de 60%, também será vendida.
politica

Dilma pede e Banco Central coloca em circulação notas com a frase “Lula seja louvado”

Corrupção, José Serra, Privatização, Roberto Freire

Roberto Freire (PPS-SP) usa redes sociais para proteger tucanos corruptos

do histórias pra boi acordar

O deputado Roberto Freire (PPS-SP) encampou a defesa do PSDB e tenta barrar a CPI da Privataria. Mas será que ele tem conhecimento das denúncias contra a família de José Serra? Há duas horas respondeu um e-leitor que cobrava as respostas que toda sociedade espera:

http://twitter.com/#!/Politica_Santos / http://twitter.com/freire_roberto

Será que foi Roberto que endoidou? Talvez apenas desconheça a história, uma das tantas reveladas pelo livro de Amaury Ribeiro Jr. Ou será que finge desconhecer?

Matéria do Brasil247 de 10 de dezembro: “Veronica Serra é ré por quebra de sigilo financeiro

“2003.61.81.000370-5. Este é o número do processo judicial, que corre em segredo de Justiça, contra Veronica Allende Serra. Filha do ex-governador paulista e eterno presidenciável tucano José Serra, ela foi indiciada pelo crime de quebra de sigilo financeiro.”

É só pegar o número do processo (2003.61.81.000370-5) e procurar no site da Justiça Federal de São Paulo: http://www.jfsp.jus.br/foruns-federais/. Vai abrir o processo:

ACUSADO: WLADIMIR GANZELEVITCH GRAMADO e outro
ADV. SP016009 – JOSE CARLOS DIAS e outros
ASSUNTO: CRIME DE QUEBRA DE SIGILO FINANCEIRO (ART.10 DA LC 105/01)

Wladimir Ganzelevitch é o jornalista que usou os dados da empresa de Verônica Serra (decidir.com), para publicar matéria no jornal Folha de São Paulo sobre cheques sem fundo de deputados.

Mas e o “outro”, quem é? Para saber é só ir no final da página e clicar em TODAS AS PARTES.

Está lá: INDICIADO: VERONICA ALLENDE SERRA

Cumpri meu dever cívico e informei o nobre deputado e seu eleitor:

 

Porém, ao invés de se retratar da afirmação falsa e admitir que Verônica foi sim indiciada por quebra de sigilo financeiro, o deputado preferiu simplesmente me bloquear no Twitter e fingir que não viu.

UPDATE: ROBERTO FREIRE CONTINUA EM NEGAÇÃO, ME CHAMA DE MENTIROSO E CULPA CONSPIRAÇÃO FASCISTOIDE LULOPETISTA:

Matéria da Folha de 2001 que deu origem ao processo diz: “As informações foram obtidas no site Decidir.com, que divulga na Internet dados comerciais e bancários sobre consumidores e correntistas de todo o país – o que é irregular, segundo as regras do BC.”

Claro que é irregular, tanto que ela foi indiciada. Verônica é acusada de quebrar O MEU SIGILO BANCÁRIO, pois era correntista do Banco do Brasil na época.

A filha de Serra é acusada – com bastante fundamento – de quebrar o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros. Tudo isso é informação pública. E o espiral do silêncio é tão grande, que nem o deputado Roberto Freire diz saber.

Mas a internet não esquece, não perdoa. E o “internauta” é legião:

http://twitter.com/#!/acordacastelo

 

http://twitter.com/#!/dantast

 

Professor Idelber, direto de New Orleans não deixou barato:

 

Cyber Karma is a bitch:

Estado de negação (complete denial) do dr. Roberto, nobre deputado federal, é prova cabal de que uma CPI da Privataria se faz necessária.

 

DEM, PPS, PSDB, Trabalho

Salário mínimo derrota PSDB, DEM e PPS

Por Altamiro Borges

Na quinta-feira passada, o Supremo Tribunal Federal validou, por 8 votos a 2, a lei que fixa a política de reajuste do salário mínimo até 2015 e prevê correções anuais por decreto presidencial. PSDB, DEM e PPS, que compõem o bloco neoliberal-conservador, entraram com ação no STF para implodir essa política, firmada a partir de um acordo entre as centrais sindicais e o governo Lula.

A direita nativa, ligada aos setores mais retrógrados do empresariado, sempre criticou o acordo de valorização do salário mínimo, que prevê a reposição das perdas inflacionárias, mais aumento real com base no aumento do PIB. Na sua visão neoliberal, salário gera inflação – assim como o programa Bolsa Família e outras iniciativas de distribuição de renda causam “gastança pública”.

O discurso tacanho dos neoliberais

Apesar das políticas adotadas pelo governo Lula terem aquecido o mercado interno, evitando maiores impactos da crise mundial que abala a economia capitalista, PSDB, DEM e PPS sempre se opuseram a elas. Sua ação no STF visava minar o acordado com as centrais e negociar, no varejo, a cada ano, o reajuste do mínimo. Mas o Supremo deu um chega para lá na oposição demotucana.

A derrota do PSDB, DEM e PPS, que a mídia burguesa evitou dar realce, representa um alívio momentâneo para os trabalhadores. Com base na lei atual, o salário mínimo será de R$ 619 no ano que vem. Depois, levando-se em conta projeções de crescimento feitas pelo governo na proposta de orçamento de 2012 que o Congresso está votando, ele subiria para R$ 676, R$ 741 e R$ 817.

Pressão da direita e de sua mídia

Mas é bom ficar esperto. A mídia hegemônica publica, quase toda semana, editoriais contra o aumento real do salário mínimo. Várias entidades empresariais também bombardeiam a atual política, apesar dos fabulosos lucros que as empresas têm obtido nos últimos anos. PSDB, DEM e PPS, representantes deste setor, ainda continuarão investindo contra o acordo.

A decisão do STF na semana passada representa uma importante vitória, mas ela é temporária. Muita luta ainda será necessária.

Aécio Neves, Alvaro Dias, Estadão, Folha de São Paulo, Geraldo Alckmin, Gilberto Kassab, Globo, José Serra, PIG, PSDB, Roberto Freire, VEJA

Oposição assume as bandeiras da mídia golpista

Por José Dirceu, em seu blog:

Na oposição, as viúvas do udenismo estão à solta cada vez mais enfurecidas com o êxito do governo. Sentem tanta saudade da velha UDN que, agora, só falta as marchadeiras voltarem para as ruas empunhando os estandartes do falso moralismo. Nos fins de semana, as revistas, no dia a dia, os jornais promovem o mais desbragado denuncismo. Evidente que acusações dessa natureza devem ser apuradas e os responsáveis por atos de corrupção punidos.

Mas, o fato é que os oposicionistas assumiram a bandeira da mídia. Agora querem atingir o PMDB. Liderança nacional do seu partido e presidente do PPS, o deputado Roberto Freire (SP) não esconde e diz abertamente: “O PMDB não é o PR. Se começar a mexer com o PMDB, [o governo] pode começar a sofrer problemas graves de atrito na base”. Pronto, textualmente entregou a estratégia da oposição para desgastar o governo, agora fazendo do PMDB, aliado à base, a bola da vez.

Freire detalhou assim, com todas as letras, que esse é o objetivo: desmontar a maioria governista e desfazer a coalizão que lhe dá sustentação. Tentam por aí, já que não conseguem fazer oposição ao governo no campo social e econômico, nem no político, uma vez que as urnas, a soberania popular, deram ampla maioria no Congresso Nacional a presidenta Dilma Rousseff.

Freire deixa escapar a estratégia da oposição

Sem verem e sem traçarem outra alternativa, os oposicionistas apelam de novo para o denuncismo. Esquecem-se, ou imaginam que a opinião pública não percebe que nenhum governo tucano ou de outros partidos da oposição resiste a uma análise rigorosa sobre a ocupação de cargos por indicação dos partidos que os apoiaram e elegeram.

Para ficar em apenas dois exemplos, os governadores tucanos de São Paulo e Minas Gerais, os do período imediatamente anterior, José Serra e Aécio Neves, e os atuais, Geraldo Alckmin e Antônio Anastasia não resistiriam a uma análise dessa natureza.

Tiveram e têm, em suas administrações, integrantes nomeados por indicação dos partidos que os apoiaram e elegeram. O prefeito reeleito de São Paulo, Gilberto Kassab (ex-DEM-PSDB, agora PSD), está na mesma situação.

Ante denúncias, presidenta toma todas as providências

Mas, mesmo assim, os oposicionistas querem transformar a participação dos partidos no governo em fisiologismo e divisão espúria do poder. Querem associar essa participação a corrupção, a despeito de a presidenta Dilma ter tomado todas as medidas cabíveis no caso das denúncias.

Para onde vai e o que quer a oposição? Está ficando cada vez mais claro que o seu objetivo é criar um clima de escândalo no país e desestabilizar o governo. Como a UDN nos 20 anos em que viveu (1945-1965) gostava de criar e chafurdar.

É preciso denunciar a oposição e seus aliados na mídia. E não recuar frente ao denuncismo. Pelo contrário, devemos devolver a acusação revelando a composição dos governos tucanos em cada Estado. Muitas delas formadas com os mesmos partidos e forças políticas que compõem com o governo federal.