FHC, José Serra, Privatização, São Paulo

Panfletagem contra a Privataria Tucana e do José Serra

 

 

 

 

do Viomundo – O que você não vê na mídia

 

Nos dois governos Fernando Henrique Cardoso, o PSDB comandou o maior processo de privatização e entrega do patrimônio nacional na história do país. Foram mais de vinte e cinco empresas públicas vendidas a preço de banana, em benefício dos setores privados e do capital internacional.

Segundo o jurista Fábio Konder Comparato, os responsáveis por este processo deveriam ser “condenados à indignidade nacional” por crime de lesa-pátria.

O jornal Brasil de Fato reuniu os principais elementos de denúncia do livro Privataria Tucana, e elaborou uma edição especial para popularização das denúncias.

Nas eleições municipais deste ano em São Paulo, este projeto neoliberal está representado na candidatura Serra. Na época Ministro de FHC, Serra chefiou pessoalmente o Plano Nacional de Desestatização.

É necessário derrotar o PSDB e acabar com a dominação política dos tucanos em São Paulo!

Por isso, a Consulta Popular, o Jornal Brasil de Fato e movimentos sociais estão convocando uma grande Panfletagem contra a Privataria Tucana na segunda (23/07), a partir das 16 horas, na Praça Ramos.

Data: segunda (23/7), das 16h às 20h
Concentração: Praça Ramos

Compareça! Traga suas bandeiras! Vamos dar um basta ao PSDB e a Serra!

Levante Popular da Juventude
Brasil de Fato
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)
Consulta Popular
Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB)

Corrupção, José Serra, Privatização

José Serra (PSDB) trabalha para evitar CPI da Privataria antes das eleições

A CPI da Privataria Tucana se transformou, no Congresso, em moeda de troca entre parlamentares da base de apoio ao governo e oposicionistas. A constatação é do deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), autor do pedido para a instalação das investigações sobre desvios bilionários ocorridos durante o processo de privatização das principais empresas públicas brasileiras, no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC).

Setores mais conservadores da Casa têm feito “uma ação pesada para postergar a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI)”, disse o parlamentar, em entrevista exclusiva ao Correio do Brasil, na manhã desta segunda-feira (19).

“Agora é inexorável. A CPI já foi instalada. Não tem mais como voltar atrás. O que se discute são os nomes dos integrantes, mas há uma pressão muito grande, por parte de setores conservadores na Casa, na oposição e em parte do PMDB, para que os trabalhos comecem mesmo somente depois das eleições”, afirmou Protógenes Queiroz.

Ex-governador paulista e candidato derrotado nas últimas eleições presidenciais, José Serra é o principal suspeito de coordenar um esquema de evasão de divisas jamais visto na história republicana do Brasil, segundo o best seller de Amaury Ribeiro Jr., A Privataria Tucana.

 

Serra, porém, é o virtual candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo e trabalha contra a instalação da CPI que investigará o envolvimento dele, então ministro do governo FHC, como um dos cabeças da quadrilha que se apropriou de parte do resultado obtido na venda de empresas como a Vale do Rio Doce e a Companhia Siderúrgica Nacional; além de todas as subsidiárias do Sistema Telebrás, segundo o livro-reportagem.

Ainda de acordo com o jornalista Ribeiro Jr., as Verônicas – Serra (filha do principal suspeito) e Dantas (irmã do banqueiro Daniel Dantas, sócio do Banco Opportunity, condenado por crimes como evasão de divisa e formação de quadrilha) – usaram três empresas para trazer US$ 5 milhões do Citibank ao Brasil pelo trajeto Miami-Caribe-São Paulo. Isso seria apenas uma pequena fração da propina paga por favorecimento nas privatizações, uma vez que o Ciribank comprou parte da Telebrás em parceria com Dantas.

A revelação destes e outros dados no plenário de uma CPI, antes das eleições municipais, segundo um renomado líder tucano, que prefere falar em condição de anonimato “para evitar situações ainda mais desagradáveis do que outras que têm ocorrido no PSDB paulista”, seria suficiente para naufragar a campanha de Serra à prefeitura paulistana.

– Sem dúvida, um setor do partido tem trabalhado incansavelmente para adiar a instalação da CPI da Privataria. Se os trabalhos começarem antes das eleições, a campanha de Serra corre o sério risco de ir direto ‘para o vinagre’, por mais que se tente controlar o caso junto à imprensa amiga. Mas o partido, infelizmente, está fragmentado. Embora Serra ainda tenha peso específico na legenda, o desgaste é cada vez maior – disse o político tucano.

A instalação da CPI da Privataria, porém, é ponto de honra para o delegado da Polícia Federal, eleito à Câmara dos Deputados pela principal legenda comunista no país. Protógenes Queiróz reúne a militância do Partido para, nos próximos dias, iniciar uma série de manifestações públicas no sentido de pressionar a Mesa Diretora da Câmara a definir, o quanto antes, os nomes dos integrantes da CPI.

– Vamos começar a recolher o apoio, por todo o país, dos eleitores que querem ver o Brasil passado a limpo. Em São Paulo, já na semana que vem, teremos pontos de recolhimento dessas assinaturas. O mesmo movimento se repetirá no Rio de Janeiro e nas principais capitais do país. O momento agora é de mobilização popular – afirmou Protógenes.

Principal elo de ligação entre José Serra e o esquema de desvio dos recursos públicos, durante o processo de privatização, Ricardo Sérgio de Oliveira – indicado para uma diretoria do Banco do Brasil por seu padrinho político – com influência na gestão dos fundos de pensão estatais, ampliou o faturamento de suas empresas, principalmente em negócios com os próprios fundos de pensão.

Para a Previ, as empresas dele venderam um prédio por R$ 62 milhões. Da Petros, compraram dois prédios por R$ 11 milhões. Denúncias sobre a ação de Ricardo Sérgio chegaram à capa da revista semanal de ultradireita Veja, em 2002.

O dinheiro da compra do prédio da Petros foi internalizado no Brasil a partir de uma offshore caribenha, no paraíso fiscal onde a filha de Serra operava com suas empresas. Ricardo Sérgio, segundo Protógenes, será um dos primeiros convocados a depor na CPI da Privataria Tucana.

Fonte: Correio do Brasil

Corrupção, José Serra, Privatização, Roberto Freire

Roberto Freire (PPS-SP) usa redes sociais para proteger tucanos corruptos

do histórias pra boi acordar

O deputado Roberto Freire (PPS-SP) encampou a defesa do PSDB e tenta barrar a CPI da Privataria. Mas será que ele tem conhecimento das denúncias contra a família de José Serra? Há duas horas respondeu um e-leitor que cobrava as respostas que toda sociedade espera:

http://twitter.com/#!/Politica_Santos / http://twitter.com/freire_roberto

Será que foi Roberto que endoidou? Talvez apenas desconheça a história, uma das tantas reveladas pelo livro de Amaury Ribeiro Jr. Ou será que finge desconhecer?

Matéria do Brasil247 de 10 de dezembro: “Veronica Serra é ré por quebra de sigilo financeiro

“2003.61.81.000370-5. Este é o número do processo judicial, que corre em segredo de Justiça, contra Veronica Allende Serra. Filha do ex-governador paulista e eterno presidenciável tucano José Serra, ela foi indiciada pelo crime de quebra de sigilo financeiro.”

É só pegar o número do processo (2003.61.81.000370-5) e procurar no site da Justiça Federal de São Paulo: http://www.jfsp.jus.br/foruns-federais/. Vai abrir o processo:

ACUSADO: WLADIMIR GANZELEVITCH GRAMADO e outro
ADV. SP016009 – JOSE CARLOS DIAS e outros
ASSUNTO: CRIME DE QUEBRA DE SIGILO FINANCEIRO (ART.10 DA LC 105/01)

Wladimir Ganzelevitch é o jornalista que usou os dados da empresa de Verônica Serra (decidir.com), para publicar matéria no jornal Folha de São Paulo sobre cheques sem fundo de deputados.

Mas e o “outro”, quem é? Para saber é só ir no final da página e clicar em TODAS AS PARTES.

Está lá: INDICIADO: VERONICA ALLENDE SERRA

Cumpri meu dever cívico e informei o nobre deputado e seu eleitor:

 

Porém, ao invés de se retratar da afirmação falsa e admitir que Verônica foi sim indiciada por quebra de sigilo financeiro, o deputado preferiu simplesmente me bloquear no Twitter e fingir que não viu.

UPDATE: ROBERTO FREIRE CONTINUA EM NEGAÇÃO, ME CHAMA DE MENTIROSO E CULPA CONSPIRAÇÃO FASCISTOIDE LULOPETISTA:

Matéria da Folha de 2001 que deu origem ao processo diz: “As informações foram obtidas no site Decidir.com, que divulga na Internet dados comerciais e bancários sobre consumidores e correntistas de todo o país – o que é irregular, segundo as regras do BC.”

Claro que é irregular, tanto que ela foi indiciada. Verônica é acusada de quebrar O MEU SIGILO BANCÁRIO, pois era correntista do Banco do Brasil na época.

A filha de Serra é acusada – com bastante fundamento – de quebrar o sigilo bancário de 60 milhões de brasileiros. Tudo isso é informação pública. E o espiral do silêncio é tão grande, que nem o deputado Roberto Freire diz saber.

Mas a internet não esquece, não perdoa. E o “internauta” é legião:

http://twitter.com/#!/acordacastelo

 

http://twitter.com/#!/dantast

 

Professor Idelber, direto de New Orleans não deixou barato:

 

Cyber Karma is a bitch:

Estado de negação (complete denial) do dr. Roberto, nobre deputado federal, é prova cabal de que uma CPI da Privataria se faz necessária.

 

Corrupção, CPIs, DEM, Privatização, PSDB

CPI que pode levar tucanos à cadeia

Nota do Blog: Eu não caio nessa de achar que deputados do PSDB votaram por estarem surpreendidos com as revelações do livro. Se você acompanhar os tucanos no twitter, eles estão dizendo “quem não deve, não teme”. A estratégia primária, logo que o livro foi lançado, era posar de vítimas e dizer que era um dossiê falso do PT. Agora, já que não conseguiram calar a repercussão do livro, fingem que “quem não deve, não teme”. Em breve, eles darão o bote. Conseguirão a presidência ou relatoria da CPI e tentarão calá-la. Esperem…

 

Por Kerison Lopes, no sítio Vermelho:

Um dia histórico para o país. Nesta quarta-feira (21), o deputado Protógenes Queiroz protocolou junto ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), o requerimento para a instalação da CPI da Privataria Tucana. “A Câmara hoje se mobiliza atendendo a um apelo popular muito forte, através principalmente das redes sociais”, comentou Protógenes.

“Começou como CPI da Privataria, mas muitos já estão chamando de CPI da Cidadania, pois é uma CPI pluripartidária, com assinaturas de todos os partidos. Muitos deputados da oposição assinaram porque também se disseram surpreendidos com as revelações do livro”, informou o deputado comunista.

Foram colhidas 206 assinaturas para a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito que pretende investigar um grande esquema de corrupção ocorrido durante o processo de privatizações das estatais no governo de Fernando Henrique Cardoso.

O fato novo que motivou o pedido de CPI foi a publicação do livro Privataria Tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Junior, que trouxe centenas de documentos comprovando o recebimento de propinas e lavagem de dinheiro em paraísos fiscais. Participaram da entrega do requerimento, ao lado de Protógenes, os deputados Jô Moraes (PCdoB-MG), Reginaldo Lopes (PT-MG), Ricardo Berzoini (PT-SP) e Chico Alencar (PSOL-RJ).

Clamor popular

Protógenes considerou um dia histórico, pois os deputados atendem a um clamor popular pela criação da CPI. “Queremos esclarecer e dizimar uns fantasmas que rondam a política brasileira. Nas privatizações da década de 90, nós pagamos um custo social muito alto e agora descobrimos para onde foi o dinheiro”.

O deputado fez questão de ressaltar que todo o movimento que surgiu no país se deve `a publicação do jornalista Amaury, “é muito mais que um livro, é um verdadeiro documento, uma espécie de libelo acusatório. E nós vamos procurar através dessas acusações as verdades que o Brasil quer e precisa saber”.

Delegado da Operação Satiagraha, que em 2008 prendeu o banqueiro Daniel Dantas, Protógenes viu conexões entre as informações do livro e outras operações policiais. “Nunca imaginávamos que grande volume de dinheiro enviado para o exterior era do processo de privatização”, afirmou.

Presidente

O presidente Marco Maia considerou que esta pode ser uma “CPI explosiva, com contornos muito claros de debate político”. Maia informou que recebido o requerimento, o próximo passo é encaminhar para a secretaria geral da Câmara para as devidas conferências. “Além disso, será feita uma análise jurídica do conteúdo do requerimento. Vamos cumprir na integralidade do regimento no que diz respeito a instalação da CPI e assim identificar se há um fato determinado”.

Maia comunicou também que ainda essa semana vai assinar a constituição de duas CPIs para começarem a funcionar a partir do início do próximo ano. A primeira investigará o possível aumento do trabalho escravo no país e outra terá como foco o tráfico de pessoas, em um trabalho complementar ao que foi desenvolvido no Senado.